quinta-feira, 11 de abril de 2013

Mecanização do café ainda enfrenta obstáculos no PR

Produtores reivindicam mais apoio para viabilizar a produção do grão no Estado
César Augusto
Francisco Lima lamenta que os investimentos na lavoura não têm gerado retorno para o agricultor
A adequação das lavouras de café do Paraná para o uso da mecanização ainda é um desafio. Segundo dados do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), a cafeicultura paranaense utiliza apenas 20% do potencial disponível em tecnologia em suas lavouras. Com o objetivo de melhorar esse índice, o Emater, em parceria com o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) e empresas fabricantes de máquinas e equipamentos estão levando aos produtores, por meio de eventos e seminários, os benefícios da mecanização para a cultura, orientando os interessados sobre como implantar essas novas tecnologias. 

De acordo com Romeu Gair, engenheiro agrônomo do Emater, a mecanização no Estado tem muito o que crescer. "O uso de máquinas automotrizes, principalmente na colheita do fruto, ainda é muito pequeno", salientou Gair durante o 21° Encontro Estadual de Cafeicultores, ocorrido na ExpoLondrina. O especialista explica que a falta de mão de obra no setor, principalmente no período da colheita, obrigará o produtor a aderir cada vez mais às novas tecnologias em maquinários. "Quem não investir em mecanização está fadado ao fracasso", garante Gair. 
[ Folha Web ]

Siga nossa página no Facebook

BORRAZÓPOLIS ONLINE - Todos os direitos reservados. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.